Sem tetos de São Bernardo são recebidos pelo presidente Pery Cartola.

 Aldo  Movimentos Sociais  27/09/2017

PRESIDENTE DA CÂMARA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO RECEBE COORDENAÇÃO DA “OCUPAÇÃO POVO SEM MEDO-MTST”
Conforme combinado logo após debate realizado no dia 22/8/2017, por um órgão da imprensa local, o Vereador Pery Cartola recebeu em seu gabinete a coordenação do MTST, juntamente com o ex-vereador Aldo Santos para ouvir a demanda do movimento e possíveis encaminhamentos. Pery Cartola fez as suas observações e manifestou sua preocupação em relação ao grande contingente de pessoas que hoje estão morando na área, e, ao mesmo tempo, disse discordar do formato da luta empregada pelo movimento sem teto.
A companheira Andreia, uma das coordenadoras do acampamento, informou que segundo levantamento preliminar, existe hoje 7.670 famílias cadastradas e cerca de 500 famílias na lista de espera. Sobre o perfil dos acampados, a mesma afirmou que são desempregados, sem teto, moradores de rua, moradores em áreas de risco e grande parcela que não conseguem mais pagar aluguel diante da grande e grave crise econômica que o país vem atravessando nos últimos anos.
Ao serem indagados pelo Vereador Pery sobre as áreas que o movimento tem obtido êxito em outras localidades, eles responderam fazendo referencia a diversas conquistas consolidadas e outras que estão em curso em várias partes do País.
Embora discordando do método utilizado pelos ocupantes, o presidente da Câmara demonstrou sensibilidade com a luta dos moradores e disse que é seu dever receber todos e todas em seu gabinete, independentemente da origem e da classe social.
Ao final ficou acertado que o mesmo vai encaminhar ao prefeito a solicitação do movimento que é a realização de uma audiência com o prefeito Orlando Morando, com representantes da secretaria de habitação, com o dono do terreno e com as lideranças do movimento, na tentativa de se buscar uma saída para o impasse e o conflito existente.
A ocupação está judicializada, porém o poder público pode intervir no sentido de abrir canais de negociação e apontar uma solução negociada. Sobre o argumento de que se trata de uma área particular, foi esclarecido que uma grande parte das moradias da cidade ocorreu em terrenos ociosos. Por exemplo: na Vila São Pedro, no Parque São Bernardo, na Vila Lulaldo (Riacho Grande) e outras áreas na Região Grande Alvarenga.
Esperamos que de fato ocorra uma efetiva negociação e que o déficit habitacional seja enfrentado como caso social e não policial, como um problema prioritário neste e nos demais municípios brasileiros.
São Bernardo do Campo, 26/09/2017.
Informe abcdaluta