Resposta ao Prefeito de Mauá...

 Aldo  Cidades  11/12/2017

Resposta ao Prefeito de Mauá sobre a entrevista ao Jornal Diário do Grande ABC sobre minha participação na luta pelo recebimento dos Direitos Trabalhistas dos servidores demitidos da Saúde de Mauá.

Em reportagem intitulada: “Paço de Mauá e FUABC iniciam costura de acordo”, lançada na edição do dia 08 de dezembro de 2017, do Jornal Diário do Grande ABC, o prefeito de Mauá, senhor Atila Jacomussi, alega que ações dos servidores demitidos da saúde da cidade são ações políticas, visto que contam com a minha participação e de outros militantes da cidade, os quais ele cita nominalmente. Ora, toda ação é uma ação política, inclusive a ausência de abertura de dialogo por parte desta administração para com as partes envolvidas neste imbróglio que já dura mais de cinco meses.

Com tal fala o prefeito deixa claro sua intenção de tentar desviar o foco do assunto e tentar partidarizar o movimento se aproveitando do analfabetismo político da maioria da população que devido à conjuntura atual despreza a atuação de partidos e movimentos sociais, colocando-os todos no mesmo balaio como desonestos, ladrões e corruptos. Ora, se um partido e seus militantes não se envolvem nos assuntos que envolvem sua cidade, estado, país, são omissos, caso se envolvam, são acusados de partidarizar os movimentos? É hora de saber separar aqueles que mantêm uma coerência em suas ações e sempre estiveram nas lutas em defesa dos trabalhadores e trabalhadoras e de seus ideais, daqueles que realmente se aproveitam da ingenuidade dos mais pobres intelectualmente para se promover com coisas que nunca fizeram, com lutas que nunca participaram. É disputa política mesmo: disputa daqueles que defendem o recebimento dos direitos trabalhistas com aqueles que se recusam a pagar algo que é direito conquistado com muita luta e suor.

Bertolt Brecht já dizia: “Que continuemos a nos omitir da política é tudo o que os malfeitores da vida pública mais querem”. E nós, que entendemos este momento político pelo qual estamos passando temos a obrigação moral de chegar aos demais setores da sociedade e explicar onde os malfeitores querem chegar, para que possamos unir forças e não permitir mais retrocessos.

Senhor prefeito, não vamos desviar o foco da luta dos servidores demitidos da saúde em Mauá. Isso demonstra claramente que está tentando ganhar ainda mais tempo para continuar sem pagar os direitos dos trabalhadores ao invés de propor uma solução para o caso. Solução essa que só pode ser o pagamento na integra de tudo o que realmente os trabalhadores têm a receber.

André Sapanos
Militante PSOL Mauá.