Nota do Psol conta o ataque a tiros contra militantes do acampamento Povo sem Medo SBCampo.

 Aldo  Política  16/09/2017

O Partido Socialismo e Liberdade –PSOL- vem a público demonstrar total repúdio ao ato de violência sofrido por dois assentados do movimento dos trabalhadores sem teto que cometem o único pecado de acreditar na coletividade, no bem comum e no direito a ter uma moradia num país feito para apenas os que concentram terra, riqueza e mandam. Estes tem acesso à terra e costumam ganha-la em processos políticos muito distantes da vida real do povo . É sabido que a especulação imobiliária, o ressentimento de classe, o individualismo, o desemprego tecnológico e a falta de solidariedade com o próximo tomou os ares de parte da cidade produzindo a atmosfera da intolerância e desumanidade. Contudo, é sabido também que, o aprofundamento das políticas recessivas do governo Temer produz miséria em larga escala e traz a baila a luta de classe por meio da luta pela moradia na cidade de São Bernardo do campo. Este fato trouxe a tona mais de 6.000 trabalhadores que sofrem não conseguindo pagar seu aluguel e se vêm na condição de serem obrigados a lutar pois a esperança é a última que morre num país tomado por uma classe política viciada em bunkers, malas de dinheiro, refis, facilidades ao mercado e ao grande empresariado, o qual alavanca a política das reformas trabalhista, da previdência e do sistema eleitoral contrárias a vida real dos trabalhadores. 
Neste sentido somos solidários aos assentados da ocupação do povo sem medo da cidade de São Bernardo do Campo, sobretudo aos que foram covardemente alvejados. Nós do Psol fazemos parte da classe trabalhadora , somos contrários à especulação imobiliária, às reformas neoliberais do governo Temer e sobretudo defendemos o direito à vida de quem luta e trabalha num país que insistentemente tem matado a esperança da juventude e de seus trabalhadores de que possam ter futuro e no mínimo conseguirem garantir o direito a uma casa num mundo em que os frutos da terra não são comuns aos homens. 
Lamentamos profundamente que o Prefeito Municipal Orlando Morando juntamente com sua bancada de sustentação tenha uma atitude imoral de suscitar a intolerância contra as pessoas empobrecidas de São Bernardo do Campo, numa cidade em que o orçamento anual ( em torno de 6 bilhões) tem condição de constituir políticas de habitação e atendimento social aos de baixo. Cobramos das autoridades de nossa cidade uma séria investigação e que cesse imediatamente a intolerância daqueles indivíduos que não conseguem viver com o contraditório e com a solidariedade humana. 
Conclamamos as forças vivas democráticas de nossa cidade bem como a população em geral para apoiar a luta pelo sagrado direito à moradia ao povo sem teto de São Bernardo, visto que não há uma política séria habitacional em nosso país e grande parte das vilas constituídas do município são frutos de ocupação organizada pelos movimentos sociais.

Lutar, resistir e morar é um direito!

Moção provada na plenária municipal do Psol SBC, 16/09/2017.