A ética dos imorais ou quem são os “puros” da farra da Bolsa Juiz?

 Aldo  Debate filosófico  06/02/2018


Há anos que a esquerda, progressistas e ativistas das Redes batem na tecla dos supersalários, que denunciam. Foi só Lula ser condenado que a mídia golpista, em diapasão, resolveu expor as “imoralidades” dos capitães do mato. A que se deve? Ao assunto ter tomado as Redes?
Moro, Bretas e mulher, Dallagnol, os “ícones da moralidade” da Lava Jato, os cristãos, os combatentes da corrupção, as purezas em pessoas, de repente têm expostos seus supersalários, cheios de “penduricalhos”, sobre os quais nenhum imposto. Auxílios de todo tipo: moradia, alimentação, saúde, educação, creche, livros, transporte e mais mordomias. 
A violência, o sarcasmo, o arrepio: um auxílio-alimentação de um juiz desses, supera a renda mensal de 90% dos brasileiros! Tem ofensa maior?
Voltando a fita. Em tempos de Lula, o Judiciário reivindicou a reestruturação da carreira. Reclamavam esses dos baixos salários e que só ganhavam um pouco mais por conta dos penduricalhos, ô vida! 
Lula aparou essas arestas, reestruturou a carreira, valorizou os salários. E auxílio moradia, penduricalhos, só para os que trabalhavam fora de seu domicílio. Ficaram satisfeitos?
Não, a “casta superior”queria mais. Aí veio Fux, que toma posse, hoje, como presidente do TSE. Esse, em 2014, decidiu, por liminar, enfiar os penduricalhos, indistintamente. Que fossem adicionados à parte do salário e, portanto, sem incidência de Imposto de Renda, uma beleza só. Juízes, Promotores, Procuradores, Desembargadores, Conselheiros de Tribunais de Contas foram à farra! 
Amparados pela impunidade e pelo corporativismo, sem nenhum pudor, muitos enfiaram a mão nos cofres da República, amparados pela liminar. O Teto Constitucional de R$ 33 mil reais, simplesmente ultrapassado. E dizem que uns 97% dos Promotores Federais ganham acima desse teto.
E a Carmem Lúcia com o “a nós servidores Públicos, o acatamento irrestrito à Lei impõe-se, como deve, acima de qualquer outro”? Hahaha
E Bretas? Apartamento próprio de frente para o Pão de Açúcar, 500m2. Ele e a mulher, salário de R$ 60 mil e exigiram na Justiça o auxílio-moradia duplicado, proibido pelo CNJ. Recebem nessa R$ 8. 754,00, mais R$ 907,00 de alimentação , retiram do povo R$ 9.661,00. 
E Dellagnol? Apartamento próprio, porém recebe o Bolsa Juiz. E foi além, ainda adquiriu dois apartamentos do Programa do PT, Minha Casa Minha Vida, para pessoas de renda mediana, para negociar em dobro logo depois, já que investidor imobiliário. 
E Moro? Apartamento próprio, a 3km de onde trabalha, de 265m2. Alegou que o auxílio-moradia era compensação pela falta de reajuste. Nessa admitiu que o benefício servia para burlar o Teto Constitucional. Em 2015 seu salário com os penduricalhos chegava a R$ 77.423,00.
E num país em que só negros, pobres e analfabetos ou de baixa escolaridade e, na maioria, por pequenos delitos, são, impiedosamente, empilhados nas cadeias. Já, a esses de "casta superior", impunes, só o ódio de classe! 
Salve a moral e a ética dos desafortunados: mais de 3 milhões de famílias até 2015 devolveram suas míseras Bolsas Famílias para que outros, mais “precisados”, o governo pudesse ajudá-los. A isso chamamos de compaixão e solidariedade, tão em falta!

Consuelo Maria da Consolação Cerqueira